Capítulo 1: O mercado

> 1.1 A Elaboração de um modelo

Um modelo serve para simplificar a realidade;

 Elimina variáveis irrelevantes;

 Permite acrescentar novas variáveis para torna-lo mais próximo ao mundo real;

Exemplo do mercado de aluguéis de apartamentos numa cidade universitária;

 Dois tipos de apartamentos, próximos ou distantes das universidades

 Por simplificação todos têm as mesmas características;

 São diferenciáveis apenas pela localização;

 A análise do modelo é voltada ao preço dos aluguéis dos que são próximos à    universidade;

 O aluguel é variável endógena (definida dentro do modelo);

 O aluguel dos distantes é a variável exógena (dado fora do modelo);

 É um preço conhecido pelos agentes;

> 1.2 Otimização e equilíbrio

A análise econômica é pautada em dois princípios:

  1. Otimização – os agentes buscam o melhor padrão de consumo disponível;
  2. Equilíbrio – os preços se ajustam automaticamente até que a demanda iguale a oferta;

Interessa o equilíbrio, não o processo pelo qual é alcançado;

Em geral é estável no curto prazo;

Implica preços constantes no curto prazo (p constante);

> 1.3 A curva de demanda

Preço de reserva: Preço máximo que um consumidor está disposto a pagar por algo que deseja;

É o preço ao qual o consumidor é indiferente entre comprar ou não;

Por hipótese, há compra quando o preço do produto é igual ao preço de reserva do consumidor;

Sempre haverá demanda pelo produto quando o preço for igual ou menor o preço de reserva para cada consumidor;

#Gráfico 1.1 –  A curva de demanda por apartamento

Para preços menores há mais investimentos, tanto em termos absolutos como em termos relativos para cada preço;

Quantidade de apartamentos demandados para cada preço de reserva;

Para uma quantidade muito grande de consumidores e se forem pequenos suas diferenças quanto ao preço de reserva, é útil pensar a curva de demanda com saltos pequenos entre os preços que podem ser ignorados, como no gráfico 1.2;

#Gráfico 1.2 – Curva de demanda de apartamentos com muitos demandantes

> 1.4 A curva de oferta

O modelo em questão pressupõe o mercado competitivo;

Muitos proprietários agindo sem coordenação entre si;

Separadamente não influenciam no preço;

Cada um tenta conseguir, o máximo possível de retorno, e como os que haja diferença no preço cobrado entre eles;

Para a quantidade não há influência exercida pelo nível de preços, já que no curto prazo o número de apartamentos disponíveis é fixo, e todos os proprietários estão dispostos a aluga-los

No curto prazo a oferta independe dos preços;

#Gráfico 1.3 – Curva de oferta de curto prazo

> 1.5 O equilíbrio de mercado

O equilíbrio de mercado é alcançado quando a demanda iguala a oferta;

#Gráfico 1.4 – O equilíbrio no mercado de apartamentos

No equilíbrio todos os demandantes que tiverem seus preços de reserva como maiores ou iguais a Pe(preço de equilíbrio) irão conseguir apartamentos próximos a universidade;

Todos os ofertantes têm seus apartamentos alugados;

Nenhum agente (demandante ou ofertante) tem incentivos para mudar seu comportamento;

Equilíbrio;

Para:

P>Pe – haverá menos demandantes interessados do que o total de apartamentos disponíveis, incentivando os ofertantes a revisarem os preços cobrados, diminuindo-os;

P<Pe – haverá mais demandantes interessados do que o número de apartamentos disponíveis, incentivando os ofertantes a aumentarem seus preços;

P=Pe – Equilíbrio entre demandantes e ofertantes;

> 1.6 A estática comparativa

A estática comparativa é um exercício de análise do mercado quando algum dos fatores de produção é o único a variar;

Não se preocupa com o processo de mudança;

Supondo um aumento no número de apartamentos, diminui-se o preço de equilíbrio, já que aumenta a oferta deles para uma mesma demanda, como se observa no gráfico 1.5;

#Gráfico 1.5 – O aumento na oferta de apartamento

Supondo que parte dos proprietários resolva vender seus apartamentos, haveria redução da oferta e se esperaria um aumento dos preços. Mas, por outro lado, é conveniente supor que os principais interessados na compra sejam justamente os próprios locatários, que passariam a ser proprietários, diminuindo a demanda por aluguéis no mesmo montante em que houvesse a redução da oferta, como pode ser visto no gráfico 1.6;

#Gráfico 1.6 – Efeito da venda de parte dos apartamentos alugados

Neste modelo o acréscimo de um imposto manteria inalterado o preço dos aluguéis, porque, se pudessem, os proprietários já estariam cobrando preços maiores, dada a inflexibilidade da oferta no curto prazo. Nesse caso os proprietários arcariam com os impostos;

> 1.7 Outras formas de alocar apartamentos

Formas de concorrência diferente da perfeita:

  1. O monopolista discriminador: Situação em que há apenas um proprietário de todos os apartamentos, ou vários proprietários agindo organizadamente como um só, alugando cada apartamento ao preço máximo que cada locatório estaria disposto a pagar, ou seja, o preço de reserva de cada um;

Os locatários seriam os mesmo que alugariam no modelo concorrencial;

O montante pago em aluguéis seria maior que o do modelo concorrencial;

Aumento dos lucros do ofertante;

  1. O monopolista comum: Situação em que a oferta decorre apenas de um proprietário, ou vários alinhados como um só, alugando os apartamentos a um único preço, podendo controlar sua receita através do controle da quantidade ofertada. Seja a quantidade demandada expressa por D(p), a receita do monopolista será dada por P*D(p). Como a função de demanda é inversa ao preço, deverá encontrar o número ótimo de apartamentos alugados que maximiza seu lucro. A situação pode ser observada no gráfico 1.7

#Gráfico 1.7 – O quadrilátero da receita

Pm(preço de monopólio)>Pe – Nessa situação menos apartamentos são alugados que no modelo concorrencial: D(Pm) < D(Pe);

Mas a receita obtida pelos ofertantes é maior que no modelo concorrencial;

Pm é o preço que prevalece no monopólio, maximizando os lucros do monopolista;

  1. Controle de aluguéis: Situação em que há um preço limite imposto externamente aos aluguéis que seja menos que o preço prevalecente numa situação de equilíbrio;

A teoria não pode prever quem serão os locatários, já que pessoas com preços de reserva menor que o do equilíbrio poderão alugar os apartamentos;

A quantidade de apartamentos alugados é a mesma de um modelo concorrencial;

Receita total dos ofertantes é menor que numa concorrência;

> 1.8 Qual o melhor arranjo?

O melhor arranjo entre demandantes e ofertantes dependerá do que seja considerado esse “melhor”, e para quem. Uma tentativa razoável é tentar analisar a posição econômica de todos os agentes envolvidos através da eficiência de Pareto;

> 1.9 A eficiência de Pareto

Eficiência de Pareto ou Eficiência Econômica;

Situação em que não há possibilidade de melhorar a posição/condição de um agente sem piorar a de outro;

Se a situação permite melhorar a condição de um agente sem piorar a de outro há possibilidade de melhoria no sentido de Pareto;

Situação denominada ineficiente no sentido de Pareto;

A Eficiência de Pareto só se preocupa com a eficiência das trocas, não com a distribuição dos ganhos advinda delas;

> 1.10 Comparação entre formas de alocar apartamentos

A situação de Eficiência de Pareto ocorre quando as pessoas que conseguirem os 5 apartamentos próximos a universidade sejam aquelas dispostas a pagar os 5 maiores alugueis, ou seja, os 5 maiores preços de reserva;

Nessa situação não haveria incentivos para mudanças no comportamento dos agentes;

Não haveria possibilidade de melhorar a situação de um agente sem piorar a se outro;

Aplicando a análise às possibilidades de organização do mercado apresentadas:

  1. Mercado Concorrencial: Eficiente de Pareto;

Não há incentivos para novas realocações no mercado;

  1. Monopolista discriminador: Eficiente de Pareto;

Embora os demandantes paguem preços mais caros pelos aluguéis, não ultrapassam seus próprios preços de reserva;

  1. Monopolista comum: Ineficiente no sentido de Pareto;

Parte dos apartamentos não é alugada, podendo a ofertante diminuir o preço do aluguel apenas desse conjunto de apartamentos, desde que o preço dos demais não fosse alterado, atendendo a demanda restante;

Tanto os primeiros quanto os novos locatórios estarão tão bem ou em melhor situação do que antes;

  1. Controle de aluguéis: Ineficiente no sentido de Pareto;

Partindo da hipótese de que ao menos um locatário não esteja disposto a pagar o preço de reserva de alguém que não tenha conseguido alugar um apartamento próximo à universidade, a situação se resolveria com a permissão de quem conseguiu alugar puder sublocar o apartamento para a pessoa que tenha seu preço de reserva maior, melhorando a situação de ambos;

Se há possibilidade de melhoria, confirma-se a ineficiência no sentido de Pareto;

> 1.11 Equilíbrio no longo prazo

No longo prazo o número de apartamentos pode variar, implicando que a oferta deixe de ser fixa, variando positivamente em relação ao preço que poderá ser estabelecido pelo aluguel desses apartamentos.

__________
Lucas Casonato”

Anúncios
  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: