Capítulo 13: Os custos de produção

A economia é composta por milhares empresas produtoras de bens e serviços, que vão das multinacionais até as pequenas prestadoras de serviço;

O estudo da organização industrial permite interpretar as políticas de produção (preço e quantidade) das empresas em razão das características de mercado que elas enfrentam. O primeiro ponto de estudo deste tema, do qual trata este capítulo, é avaliar a relação que têm os custos da produção em relação à preço e quantidade ofertada de bens e serviços;

L = RT – CT

L = Lucro: as pessoas investem na produção objetivando maximizar seu lucro;
RT = Receita total: faturamento obtido com a venda da produção;
CT = Custo total: montante pago pelo empresário para começar a produção;

Os custos com capital se apresentam como custo de oportunidade pela possibilidade de realização de aplicações financeiras. Portanto, o custo de oportunidade entre um investimento produtivo e um financeiro será ditado pela taxa de juros;

Os custos se dividem entre custos explícitos, que são despesas da firma, e custos implícitos, que são os custos de oportunidade. Neste ponto percebe-se a diferença entre uma análise econômica e uma contábil, pois a última só considera os custos explícitos em seu balanço, enquanto a primeira leva em consideração o tradeoff enfrentado pela empresa;

O lucro econômico difere do lucro contábil porque o primeiro levará em conta os custos explícitos e implícitos, enquanto o segundo fará a avaliação da receita em relação aos custos;

Os custos podem ser divididos em fixo, como o tamanho da firma, e variável, como a quantidade de insumos utilizados na produção. Uma hipótese necessária para avaliação dos custos no presente modelo é que as fábricas tem seu tamanho fixo no curto prazo, com sua produção variando apenas em função da utilização dos insumos. No longo prazo ambos os custos são variáveis;

Custo Total (CT) = Custo Fixo (CF) + Custo Variável (CV)
Custo Total Médio = Custo Total/Quantidade (Q)
Custo Marginal = ΔCT/ΔQ
*Δ significa variação;

Os custos ainda podem ser calculados por seus valores médios ou marginais;

A função de produção é a relação entre a quantidade de insumos utilizada na produção de determinada quantidade de produto;

Exemplo do livro: Função de produção

Trabalhadores Produção PmgN Custo fixo Custo variável Custo total
0 0 0 30 0 30
1 50 50 30 10 40
2 90 40 30 20 50
3 120 30 30 30 60

 

Produto marginal: produto obtido com o acréscimo de uma unidade adicional de insumo. O produto marginal é decrescente quando se tem um aumento da produção menor a cada nova unidade de insumo;

#Gráfico da produção por trabalhadores (positivo e decrescente);

#Gráfico do Custo total pela quantidade produzia, iniciando já no custo fixo (positivo e crescente até certo ponto);

A variação de tamanho de uma empresa no longo prazo, onde todos os custos variam, dependerá dos rendimentos de escala. Se houver retornos crescentes de escala, o produto aumenta mais do que o aumento dos insumos (em termos de custos). Se houver retornos decrescentes, o inverso. Se houver retornos constantes, a produção irá variar na mesma proporção que os aumentos de insumos.
__________
Lucas Casonato”

 

Anúncios
  1. Deixe um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: